Laboratório de Ações Sustentáveis
Laboratório de Ações Sustentáveis

Diálogo Público Segurança Humana – Aldeia Velha

Diálogo Público Segurança Humana – Aldeia Velha (03 de junho)

Participantes: Representantes do ICMBio, Defesa Civil Municipal, AMAVE, UFRJ, UNIRIO, MPRJ, moradores do bairro de Aldeia Velha, Imbaú e Varginha.

Proposta: Abordar as questões envolvendo as barragens da Lagoa de Juturnaíba; dinamização social; apresentação do Projeto Filhote e do Morte Zero do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, levar o Movimento Silva Jardim Sustentável a Aldeia Velha

Figura 1. Participação da comunidade local de Aldeia Velha no Diálogo Público sobre Segurança Humana no formato de Aquário, metodologia participativa com fala objetiva e escuta atenta utilizando perguntas norteadoras para facilitação do Diálogo.

O diálogo inicia-se com a Professora Michelle Sampaio explicando sobre a história do Movimento Silva Jardim Sustentável, visto ser um movimento social do mesmo Município onde muitos ainda não possuem acesso podendo agregar como ator social buscando uma Silva Jardim mais sustentável e colaborativa.

Após a abertura da Professora Michelle, a Procuradora de Justiça Denise Tarin, abre sua fala com objetivo de transformar conhecimento em ação no Município após 3 anos de preparação para efetivação das atividades em Silva Jardim. Um dos objetivos do MPRJ no Município é o fortalecimento do território e a cidadania em conjunto com a população e construir resultados através dos próprios moradores, com a colaboração e partição efetiva da população local. Outra ação a ser realizada será o trabalho de prevenção com a Defesa Civil voltado as inundações e enchentes que ocorrem no período entre janeiro e março principalmente. A importância de ouvir e trabalhar a coletividade, realizando um diagnóstico perceptivo com os que estão presentes no território e vivenciam as atribulações locais.

Para realização dessas atividades, é necessária uma conversa para coleta de informações com o os moradores, com quebra de padrões convencionais, mas sim com conversas significativas e efetivas através das metodologias participativas e colaborativas.

Para conversas significativas, é preciso falar com atenção e escutar atentamente, sempre respeitando a colocação dos participantes e buscar sempre a construção coletiva.

Neste Diálogo Público, foram utilizadas três perguntas norteadoras que se conectam com o propósito desta ação e as respostas devem ser intencionais e com foco para melhor colheita.

1° pergunta: Qual sua participação no Movimento Silva Jardim Sustentável? (O que sensibiliza vocês quando se fala sobre o movimento social)

  • Patrícia (Moradora a 14 anos de Aldeia Velha) – Desenvolve um projeto a seis anos em relação a tradição oral. “Quem não conhece sua história não consegue proteger seu território”. Trabalha de forma criativa e curiosa na escola.
  • Genise (Psicóloga) – Foi Gestora de Saúde Pública, participa do Projeto Gerando Paz que quer trazer para Silva Jardim. Articula com os Poderes Públicos e Privados para trazer escolas e postos como projeto piloto.
  • Luciane (Moradora) – Produtora de Orgânicos, quer replicar em Silva Jardim uma visão holística trabalhando a permacultura, com um olhar sustentável, como é feito na APA de Guapimirim com captação de água, utilizar os recursos locais.
  • Ronilson (Defesa Civil) – Defesa Civil Mirim capacitando as crianças na área de DC, no ano passado foram 50 crianças no período de intervalo escolar onde as crianças se tornam ociosas. Neste ano a ideia é levar 70 crianças com parceria da Secretaria de Educação.

2° pergunta: Como você percebe a integração nas diferentes iniciativas no movimento social em Silva Jardim?

  • Marcelo (morador) – Integrou seu território sem custo para um projeto da Defesa Civil, com divulgação de turismo. Muitos moradores de Silva Jardim não conhecem as maravilhas de Aldeia Velha, que se encontra em Silva Jardim.
  • Patrícia (moradora) – Não vê essa união dos moradores. O papel da associação de moradores é importante nesse quesito para promover o crescimento e união para com Silva Jardim.
  • Denise (moradora) – Crê para ver. A 30 anos ouve as mesmas reclamações e queixas, mas ninguém se une para reivindicar, vê um movimento, mas sem ações concentras em Aldeia Velha. Como servidora pública se manifestou em criar a ponte entre o Poder Público e a sociedade civil.

3° pergunta: Quais ações você sugere para fortalecer o movimento social em Silva Jardim?

  • Levar ideias e projetos ao Poder Público,
  • Melhora na comunicação com a associação de moradores de Aldeia Velha,
  • Comunicação ativa e democracia participativa,
  • Aproximação do poder público para com a comunidade,
  • Integração e mudança – Fortalecimento, cidadania regional,
  • Promover turismo e educação,
  • Mostrar os talentos locais em artesanato, gastronomia,
  • Trabalhar a produção de orgânicos

É necessário, segundo a fala da Procuradora de Justiça, que o diálogo tenha espírito construtivo, mudando a postura da coletividade com a seguinte pergunta “Qual é o meu papel na construção?

No final do Diálogo fora realizado o check out pedindo que os participantes digam em apenas uma palavra o que levam do encontro.

Comunicação, cuidado, aprendizado, união, motivação, paz, esperança, controle social, integração, crescimento, possibilidade, muito trabalho, perseverança, escutar, confie no processo.

Figura 2. Participantes do Diálogo sobre Segurança Humana em Aldeia Velha, bairro localizado em Silva Jardim, com participação da Defesa Civil Municipal, Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, representantes do ICMBIO, estudantes da UNIRIO e moradores de Silva Jardim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *